terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Saber o que se quer

Há algumas épocas da vida em que parece que se sabe tudo. Sabe-se quem é bom, quem não é. Sabe-se sobre a vida, até sobre o que veio antes e depois da vida. Sabe-se sobre assuntos que outros, mais velhos, demoraram anos a saber com profundidade...
Daí se para pra pensar: se os mais velhos demoraram tanto pra saber, é provável que eu também precise desse tempo, afinal não sou ninguém mais do que os outros. Xi! Confundiu tudo...
Daí vem a crise: não se sabe de mais nada! Essa época da vida até dá mote pra uma das frases mais interessantes de parachoques de caminhão: "não me siga, pois também estou perdido..." (melhor que essa, só mesmo a clássica Vou rezar 1/3 pra encontrar 1/2 de te levar pra 1/4.)
Então aos poucos, com muito e muito pensar e analisar, começa-se a descobrir o que realmente se é. Basicamente, começa-se a entender o que interessa e o que não interessa, pois o que interessa é o que realmente faz a vida valer a pena.
Digo apenas que já estou nessa terceira fase.

2 comentários:

  1. A vida realmente vale a pena, quando acreditamos na força do tempo, e acima de tudo acreditamos, na verdade do sentimento que temos por aqueles que nos são caros.Então...o tempo foi esperto....beijo

    ResponderExcluir